Inovação em Aparelhos de Raios X Odontológicos

Notícias

31/08/2016 voltar

Ortopedia Funcional: conheça essa especialidade da Odontologia

Imagem: Reprodução/Internet
Imagem: Reprodução/Internet
Muitas pessoas sentem alguns problemas com reflexos na boca como estalos, dores para mastigar, entre outros, e não sabem do que se trata e, muitas vezes, nem onde procurar ajuda. Mastigação ruim ou só de um lado, mastigar com a boca aberta, dificuldade em triturar alimentos são alguns dos problemas que podem ser resolvidos pela Ortopedia Funcional dos Maxilares – especialidade da Odontologia que entra em ação quando alguma alteração no funcionamento da boca é diagnosticada.

Segundo o cirurgião-dentista e especialista, Dr. Eduardo Sakai, a Ortopedia Funcional dos Maxilares é um modo diferente de tratar as necessidades no uso de aparelhos, fazendo uso de aparelhos móveis e soltos dentro da boca, que agem na parte superior e inferior, é um tratamento que pode e deve começar quando indicado (mesmo na dentição de leite, quando as necessidades são menores e os resultados são melhores). É uma maneira de tratar sem dor, sem risco para raízes dos dentes permanentes e os ossos onde os dentes estão situados. A Ortopedia Funcional dos Maxilares pode, também, tratar de problemas da articulação temporo-mandibular.

No Brasil, a Ortopedia Funcional dos Maxilares foi reconhecida pelo CFO e pela classe odontológica como especialidade da odontologia em 2001 e busca tratar da boca fazendo uso de forças captadas dela mesma, vindas dos músculos e do funcionamento correto da boca. “Em tratamento ortopédico funcional não fazemos uso de força estranha à boca e, com isso, não acontece dor por conta do tratamento. Na ortopedia funcional podemos iniciar o tratamento durante a dentição de leite, daí ser muito raro indicarmos a extração de dentes permanentes, pois que tratamos com o crescimento natural da boca e do organismo”, afirma Sakai que é Conselheiro efetivo do Conselho Federal de Odontologia (CFO).

Mordidas cruzadas uni ou bilaterais, crescimento insuficiente da mandíbula (parte inferior da boca), crescimento em excesso da mandíbula (pessoa “queixuda”), respirador bucal, problemas/estalos na ATM, apinhamento de dentes de leite ou na troca de dentição, a falta de espaço para os dentes permanentes são sintomas mais frequentes que mostram a necessidade de procurar um especialista em Ortopedia Funcional.

Dr. Sakai, que também é Diretor Científico da Sociedade Paulista de Ortodontia, diz que a idade ideal para se iniciar um tratamento é por volta dos 2 ou 3 anos de idade. Mas, os problemas funcionais e suas consequências morfológicas podem ser diagnosticados e tratados com Ortopedia Funcional dos Maxilares em idades mais avançadas, inclusive adultos.

Um tratamento de Ortopedia Funcional dos Maxilares adequado vai proporcionar à pessoa melhora sensível na qualidade de vida de um modo geral, com uma melhor mastigação, com isso aproveita-se mais e melhor os nutrientes da alimentação; digestão melhor e sem dificuldades; possibilidade concreta de se alimentar fazendo uso de alimentos e não de produtos industrializados/pasteurizados/processados/picados/cozidos. Outro benefício do tratamento é a melhora da capacidade de respiração pelo nariz. O tratamento também pode influir positivamente na diminuição e mesmo no controle do ronco e da apnéia.

“A ortopedia funcional dos maxilares pode conseguir estimular, na devida época, o crescimento que esteja defasado, contribuindo e muito na solução de faltas de espaços para o posicionamento de dentes nas arcadas, melhorando com isso, a expectativa de vida longa a uma dentição saudável (sem problemas periodontais, articulares, e outros)”, afirma o professor coordenador do Curso de Especialização em Ortopedia Funcional dos Maxilares, ministrado na APCD – Jardim Paulista.

De acordo com o especialista, Pós Doutor pela Boston University (USA), é aguardado em breve a implantação e o oferecimento de tratamento com ortopedia funcional dos maxilares no sistema público de saúde (através dos centros de especialidades odontológicas – CEO), que ampliarão, desta forma, o mercado de trabalho para o especialista em OFM. “Esperamos conseguir incluir o seu ensino nos cursos de graduação, pois entendemos ser importante o acesso às informações das novas especialidades aos colegas, e com isso, eles serão melhor e mais consistentemente formados, podendo oferecer mais e melhores opções de tratamento aos seus pacientes”, conclui Dr. Eduardo.

Mitos sobre a especialidade:
A ortopedia funcional dos maxilares só atende a crianças e adolescentes.
R- A idade ideal é por volta dos 2 ou 3 anos de idade, mas os problemas funcionais e suas consequências morfológicas podem ser diagnosticados e tratados pela Ortopedia Funcional dos Maxilares em idades mais avançadas, inclusive adultos.

Os tratamentos não são terminados somente com o seu uso.
R- Isso é um mito.

Ela nasceu da separação da outra especialidade que usa aparelhos.
R- Impossível separar uma da outra – a ortopedia foi reconhecida como especialidade odontológica, e não separada.

Fonte: Conselho Federal de Odontologia